QUAL É O LINK na Saraiva e com Mhel Marrer

Neste domingo (16 de junho), às 18 horas, os comediantes do QUAL É O LINK se apresentam na Saraiva Mega Store do Shopping Iguatemi Fortaleza. Muito stand up comedy cearense e ainda um reforço e tanto. A comediante Mhel Marrer está passando por Fortaleza e vai aparecer por lá para mostrar um pouco do seu trabalho. A entrada é franca. Apareça!Image

Anúncios

Coluna da Ludy: O preço de uma viagem internacional

Sim, eu sou uma pessoa internacional. E sim, eu fico me gabando publicamente. Os incomodados que se retirem (mas pera, não vai não. Vou contar um monte de coisas legais).

Isso mesmo, façam muitas piadas sobre essa foto.

E, pra quem achou que vou aqui dizer como sou podre de rica, infelizmente se enganou. Eu pechinchei até comida quando estive na Zoropa. Pois é, só tinha eu e outro cara mendigando em toda a Alemanha. Porque eu não conto o pessoal que toca música e bota um chapéu lá. Isso é diferente, é outro nível de mendigagem e eu acho inclusive que alguém devia ensinar os mendigos daqui a fazerem isso. Acho um absurdo esse povo que pede dinheiro sem fazer nada. Qual a minha motivação? Acho que é por isso que tem uns que se instalam no meio da calçada na maior, só pra eu perder a paciência e dar dinheiro pra eles saírem do meio.

Mas enfim, não estamos aqui pra falar de gente pobre (a não ser eu), estamos aqui pra falar de fineza, de carne de porco e presunto e mortadela a perder de vista. E de nutella. Sim, podem me imaginar 6 quilos mais gorda.
Comida demais + atividades de menos + frio = hibernação. sabiam não?

 

 

 

Minha gente, o que é uma pessoa matuta no meio da Europa, não?! Eu não sabia pra que lado olhava. Eu queria tirar a roupa e morrer congelada, até porque seria uma conquista totalmente inédita pra uma nordestina. Como vocês podem supor, eu não morri. Porque lá, meus queridos, tem aquecedor até no banheiro. Se duvidar, devia ter um aquecedor na casinha do cachorro.

Óia, neve. Neve! NEEEEEVE!

Tudo é tão maravilhoso que fui assistir Missão Impossível 4 no cinema. Era dublado em alemão (e eu não falo nem oi em alemão) mas isso é detalhe, né. Quem de vocês pode dizer que viu um filme na Alemanha? Quem? Quem?

Ah, mas nada melhor que chegar em terras tupiniquins depois de 40 dias no inverno europeu (Pfffff), aquele calorzinho bacana, usando três calças jeans (não perguntem como consegui vestir. Ou tirar. Também não consigo explicar) porque não cabia mais nada na mala. Depois de 10 horas seguidas de voo, onde tive tempo de dormir, assistir filme, desenho, ouvir música, tomar café da manhã, almoçar, preencher formulário da Alfândega (eu tenho cara de quem tá trazendo mais de cinco mil reais em produtos?) e traduzir o formulário pra um estrangeiro, ufa, tudo que você quer é o aconchego do seu lar.

Mas pera: o voo atrasou, querida. Se aconchega aí no banheiro do aeroporto (com aquela descarga disfarçada de portal pro inferno) e espera o próximo voo, amanhã. Pra minha mãe, nada disso importa. O que importa é que ninguém avisou que meu avião estava com falhas técnicas. Não importa que eu não morri. O importante é que eu podia ter morrido.

Nunca tinha reparado que houve tantas oportunidades de eu morrer nessa viagem.

Qual é o link?

É pobre e quer ir pra Europa? Siga as dicas: http://camelandonaeuropa.blogspot.com.br/2010/09/destinos-europeus-de-viagem-para-gente_19.html

Como fingir que foi pra Europa: http://jenios.naosalvo.com.br/a-torre-eiffel-ta-tao-diferente/

Coluna da Ludy: Super Mario x Seu Mário

Super Mario, como muitos devem saber, é o simpático personagem de vídeo game, encanador, bigodudo que corre atrás da Princesa Peach.

Não vou nem dizer que a Peach é sacana e trocou o Mario pelo Bowser. Tudo bem que o Bowser é podre de rico, tem um monte de castelos e um exército. Mas, caso ninguém tenha notado, ele é uma tartaruga, e além de ser zoofilia, não creio que a princesa iria se satisfazer com uma tartaruga. Eu acredito no amor verdadeiro entre uma princesa e um encanador.

Mario é um cara respeitável. Só que não. Ele tem um emprego, mas a única coisa que ele faz é entrar pelo cano. Viciado em cogumelos e como meio de transporte não um carro do ano, muito menos um cavalo branco. Ele sai por aí cavalgando um dinossauro. Quanto a ser um assassino de tartarugas, não tenho problemas com isso. Qualquer animal que esteja sendo um imbecil merece um chute, especialmente você, ser humano horrorizado com minha declaração, você também é um animal, caso ninguém tenha te avisado.

Já o Seu Mário, meu encanador, ele sim é competente. Conserta todos os canos, sem precisar entrar em nenhum, não está sempre com a mesma roupa, não aparenta estar drogado e não se mete a brigar com o chefão daqui de casa. Nada contra o Super Mario e sua caçada à Princesa, mas quando sequestraram a esposa do Seu Mário, ele chamou a polícia. Muito mais rápido. E pra completar é membro da Sociedade Defensora dos Animais.

Daí você pode dar uma de sabichão defensor do Super Mario e me perguntar: e como o Seu Mário faz pra conseguir moedinhas? Simples, meu caro: ele trabalha!
Qual é o link?!

Um Joystick, um violão – Aquarela http://www.youtube.com/watch?v=aITEB75P3mM

A Lenda do Herói – Fase 1 http://www.youtube.com/watch?v=SX9rSCRiVbc

Faça você mesmo – Encanamento (pra quem não é cliente do Seu Mário) http://www.youtube.com/watch?v=c8YhmJ9cOC8

Coluna do Gladson: Manifesto do mau humor

Nunca na história da sociedade humana houve tanto movimento pelo respeito às minorias. Homossexuais, negros, gordos, albinos, anões… Todos têm cada vez mais proteção e protestos no Facebook. Todo mundo tem o direito de ser feliz. Mais que isso, ser feliz agora virou uma obrigação, tão opressiva e discriminatória quanto a ditadura, o Klu Klux Klan e a TV em dia de domingo.

Outro dia me perguntaram “Tudo bem?”, e eu disse “Não”, então logo soaram as trombetas do apocalipse e pessoas alarmadas queriam saber por que diabos não estava tudo bem, tinha que estar. Que petulância é essa a minha de não estar de bem com a vida?! É a ditadura dos sorrisos, e o mal-humorado hoje é a minoria mais discriminada.

Eu sou um “mal-humorado” assumido, apesar de não gostar muito do termo. Mas é melhor que chato, rabugento, carrancudo, raivosinho etc. Faz algum tempo que assumi e estou aqui para dizer que é difícil, sofremos muito preconceito, mas é possível sim, viver em paz com nossa infelicidade.

O primeiro passo é aceitar. Aceitar que a maioria das pessoas ao nosso redor é simplesmente idiota e deveriam morrer de câncer anal. Dito isto, pratique a sinceridade, não esconda quem você é. Da próxima vez que alguém comentar “tá calor né?”, diga “e eu com isso!” só pra ver como você se sente. É libertador. Aquela sua tia-avó escrota que só te dá cueca no natal, da próxima vez que ela perguntar “Já arrumou emprego?”, “Já casou?”, mude de assunto: “E aí, já comprou seu caixão?”, “E aquela hemorroida, como é que tá?”.

E um dia talvez este diálogo não será mais uma utopia:

– Rapaz, é carro demais nessa cidade né?

– Senhor, eu não o conheço e sua opinião pouco me importa, por favor não me dirija mais a palavra.

– Que é isso, que ignorância?!

– Terei de ser mais enfático: vai te f#der, seu mala do c@r@lho, vai tomar no c#! Com todo respeito.

Não existem leis que protejam o mal-humorado. Devíamos ter prioridade em filas, por não suportarmos os comentários imbecis de quem espera. Ou então um local especial nos ônibus, onde ninguém puxa assunto, ouve forró alto no celular e nem mesmo ri feito idiota. Gente que ri dentro de ônibus lotado desestabiliza uma nação.

Temos de tentar ao máximo nos defender. Cuidado, evite fazer contato visual. Se alguém te olha e você retribui por educação, acaba de se tornar um potencial alvo de baboseiras. Hoje existem invenções maravilhosas que nos ajudam, como o mp3 player, boa forma de evitar conversas inconvenientes; tem também os portões de alumínio com olho mágico, revolucionário na arte de ignorar pessoas; fora recursos de bloqueio no bate-papo.

É pouca coisa, eu sei, ainda mais por que a classe não se une, não aguentaríamos uns aos outros. De mal-humorado já basta eu. Mas estou aqui levantando esta bandeira e dizendo “Sou casmurro sim e mereço respeito!”. E parafraseando Martin Luther King: eu tenho um sonho. O sonho de que um dia  todas as pessoas do mundo possam simplesmente não se dar o trabalho de me encher o saco. E tenho dito.

Linke-se com o mau humor:
https://twitter.com/bomdiaporque
http://www.youtube.com/watch?v=V7eR6wtjcxA
http://www.youtube.com/watch?v=hV76KXU1x6g (vai tomar no …)