Coluna do Gladson: Manifesto do mau humor

Nunca na história da sociedade humana houve tanto movimento pelo respeito às minorias. Homossexuais, negros, gordos, albinos, anões… Todos têm cada vez mais proteção e protestos no Facebook. Todo mundo tem o direito de ser feliz. Mais que isso, ser feliz agora virou uma obrigação, tão opressiva e discriminatória quanto a ditadura, o Klu Klux Klan e a TV em dia de domingo.

Outro dia me perguntaram “Tudo bem?”, e eu disse “Não”, então logo soaram as trombetas do apocalipse e pessoas alarmadas queriam saber por que diabos não estava tudo bem, tinha que estar. Que petulância é essa a minha de não estar de bem com a vida?! É a ditadura dos sorrisos, e o mal-humorado hoje é a minoria mais discriminada.

Eu sou um “mal-humorado” assumido, apesar de não gostar muito do termo. Mas é melhor que chato, rabugento, carrancudo, raivosinho etc. Faz algum tempo que assumi e estou aqui para dizer que é difícil, sofremos muito preconceito, mas é possível sim, viver em paz com nossa infelicidade.

O primeiro passo é aceitar. Aceitar que a maioria das pessoas ao nosso redor é simplesmente idiota e deveriam morrer de câncer anal. Dito isto, pratique a sinceridade, não esconda quem você é. Da próxima vez que alguém comentar “tá calor né?”, diga “e eu com isso!” só pra ver como você se sente. É libertador. Aquela sua tia-avó escrota que só te dá cueca no natal, da próxima vez que ela perguntar “Já arrumou emprego?”, “Já casou?”, mude de assunto: “E aí, já comprou seu caixão?”, “E aquela hemorroida, como é que tá?”.

E um dia talvez este diálogo não será mais uma utopia:

– Rapaz, é carro demais nessa cidade né?

– Senhor, eu não o conheço e sua opinião pouco me importa, por favor não me dirija mais a palavra.

– Que é isso, que ignorância?!

– Terei de ser mais enfático: vai te f#der, seu mala do c@r@lho, vai tomar no c#! Com todo respeito.

Não existem leis que protejam o mal-humorado. Devíamos ter prioridade em filas, por não suportarmos os comentários imbecis de quem espera. Ou então um local especial nos ônibus, onde ninguém puxa assunto, ouve forró alto no celular e nem mesmo ri feito idiota. Gente que ri dentro de ônibus lotado desestabiliza uma nação.

Temos de tentar ao máximo nos defender. Cuidado, evite fazer contato visual. Se alguém te olha e você retribui por educação, acaba de se tornar um potencial alvo de baboseiras. Hoje existem invenções maravilhosas que nos ajudam, como o mp3 player, boa forma de evitar conversas inconvenientes; tem também os portões de alumínio com olho mágico, revolucionário na arte de ignorar pessoas; fora recursos de bloqueio no bate-papo.

É pouca coisa, eu sei, ainda mais por que a classe não se une, não aguentaríamos uns aos outros. De mal-humorado já basta eu. Mas estou aqui levantando esta bandeira e dizendo “Sou casmurro sim e mereço respeito!”. E parafraseando Martin Luther King: eu tenho um sonho. O sonho de que um dia  todas as pessoas do mundo possam simplesmente não se dar o trabalho de me encher o saco. E tenho dito.

Linke-se com o mau humor:
https://twitter.com/bomdiaporque
http://www.youtube.com/watch?v=V7eR6wtjcxA
http://www.youtube.com/watch?v=hV76KXU1x6g (vai tomar no …)
Anúncios

Coluna do Gladson: Cortou o cabelo?

Parece existir uma espécie de insatisfação geral a respeito do cabelo das pessoas. Se seu cabelo está grande, ficam perguntando por que você ta deixando ele crescer. Sempre respondo que eu não estou deixando, ele é que está me desobedecendo. E se você corta, a pergunta é mais estúpida ainda.

– Cortou o cabelo?

– Parece né!

Eu sonho com o dia em que vou tocar o foda-se e responder cada pergunta a contento. Ao meu contento. Já tenho uma lista de dez respostas a altura de uma pergunta tão pertinente:

1) – Cortou o cabelo?

– Não, quem cortou foi a dona Odete cabeleireira.

2) – Cortou o cabelo?

– Sim, por quê? Você é algum tipo de fiscal capilar?

3) – Cortou o cabelo?

– Não, eu suguei ele pra dentro!

4) – Cortou o cabelo?

– Isso é relativo. Como você sabe que não foi ele quem me cortou?

5) – Cortou o cabelo?

– Corte de custos. Sabe como é né, crise na Europa…

6) – Cortou o cabelo?

– Ih rapaz, não, esqueci ele em casa ó, que cabeça a minha!

7) – Cortou o cabelo?

– Não, confundi o pente com o prestobarba.

8) – Cortou o cabelo?

– Não, é meu novo Shampoo Elséve para cabelos invisíveis, “Porque eu mereço”.

9) – Cortou o cabelo?

– Sim, e eu também dormi ontem, comi pão com mortadela e tirei meleca do nariz. O que mais você quer saber sobre a minha agitada vida?

10) Resposta exaltadamente observadora – Ah meu Deus, você cortou o cabelo?

– Ah meu Deus, você engordou três quilos! Ah meu Deus, é o dia de fazer observações idiotas sobre as pessoas!

Bônus: Ainda têm a resposta clichê, que tá valendo também.

– Cortou o cabelo?

– Não, tirei pra lavar.

QUAL É O LINK??? http://comoeumesintoquando.tumblr.com/post/30691845949/passo-muito-tempo-sem-cortar-cabelo

http://www.youtube.com/watch?v=qAO01hBXIDc

http://www.youtube.com/watch?v=eCofZjIXXs4